Comprovante de venda ou Ordem de Serviço

7 posts in this topic

Sempre tive uma dúvida na hora de entregar um comprovante de serviço realizado na assistência ao cliente. Por exemplo:

Quando eu compro uma peça para substituir em um computador de um cliente, qual comprovante entregar? comprovante de venda dessa peça ou ordem de serviço?

Esses dias comprei um cooler pela internet para substituir em um notebook, realizei a substituição, entreguei ao cliente, mas na hora de entregar o comprovante fiquei na duvida se entrego um comprovante de como eu tivesse revendendo essa peça ou uma ordem de serviço. Para isso eu uso um programa de gerenciamento de assistência técnica.

0

Share this post


Link to post
Share on other sites

Opa @nilsinho chagas se você REVENDE a peça, ou seja, tem lucro em cima dela, vc será responsável por ela, se der qualquer problema vc que responderá pela mesma, mesmo que o outro vendedor forneça garantia, para o cliente, você é responsável, nesse caso você discrimina na ordem de serviço as peças substituídas com seus respectivos valores e a sua mão de obra. Agora se você só repassa a peça, deixe bem claro ao cliente que vc apenas facilitou a compra da peça pra ele e que você não tem responsabilidade sobre a mesma, nesse caso você entrega a nota fiscal ou documento equivalente emitido pela pessoa da qual você comprou a peça e entrega também a ordem de serviço com o serviço realizado e seu respectivo valor, nesse caso, só mão de obra.

Espero ter ajudado...

Aproveitando seu tópico, qual programa você usa pra gerenciamento?

Abraços.

0

Share this post


Link to post
Share on other sites

Pessoal, vou deixar bem claro aqui para todos...

A responsabilidade dos serviços executados e das peças empregadas no reparo, ou upgrades é da assistência técnica. Quando um cliente deixa um equipamento para reparo ou um upgrade em sua assistência, tanto a mão de obra e peças que forem adquiridas é de responsabilidade da assistência, salvo exceção quando o cliente adquire uma peça como por exemplo um HD e memória e só vai até o seu estabelecimento requisitando seu serviço de instalação física da peça, mão de obra. Aí nesse caso o cliente se responsabiliza pela peça que ele trouxe (e tem que ficar registrado na ordem de serviço isso, que o cliente trouxe a peça, e a responsabilidade do prestador de serviço sobre a peça se isenta)

Na ordem de serviço se discrimina as peças utilizadas no reparo, seu respectivo valor (claro que você precisa ter um "lucro" na peça), então isso acaba sendo discriminado no final do serviço, quando vai dar uma nota de serviço ou um recibo de pagamento simples.

Eu particularmente acho muito errado dar nota de onde você comprou a peça, pois o cliente não precisa saber onde você adquiriu, quanto pagou, quanto foi a sua margem de lucro. No caso de serviços prestados as peças envolvidas e adquiridas a assistência só precisa discriminar as peças envolvidas e o valor a custo final. A peça está sendo utilizada para finalidade de reparação, e não para revenda ao cliente.

E mesmo se um cliente entre em sua loja querendo somente comprar uma peça a nota de venda ou recibo de venda é seu e não de onde comprou. Se o cliente te compra uma peça em seu balcão de atendimento, por exemplo, a emissão de nota de venda é de sua responsabilidade (ou emissão de um recibo de venda), pois a venda é sua a garantia é sua, o recibo de onde comprou é seu para que se o cliente retorne com a peça você consiga trocar junto ao fornecedor (para isso que serve a nota do fornecedor)

Dar notas de compra ao seu cliente revela a fragilidade de seu negócio, tipo amadorismo, e isso acaba "queimando" a imagem do profissional. Muita gente faz isso por inocência, e acaba demonstrando amadorismo ao negócio.

Os seus fornecedores são contatos exclusivos seus, e o seu cliente não tem de ter acesso a isso. Notas de compras são documentos exclusivos da assistência técnica, que devem ser anexados aos seus documentos de compras de peças, para que possa ter controle do que está comprando, prazos de garantia, enfim, tudo para controle interno.

 

0

Share this post


Link to post
Share on other sites

Professor mas tipow, por exemplo, tenho um notebook que está precisando de um cabo flat e é um notebook antigo no qual não existe esse cabo novo, logo terei que comprar um usado, esse usado pode me trazer problemas se não funcionar ou mesmo se vier a dar problemas com um mês depois, se não quiser me responsabilizar por isso, não posso falar pra o cliente que apenas vou intermediar a compra, mas que não vou me responsabilizar pela peça? Isso está errado?

 

0

Share this post


Link to post
Share on other sites

Sim, está errado e fere o código de defesa do consumidor quando menciona que o prestador de serviços é o responsável pelo reparo do equipamento, desde peças envolvidas e mão de obra.

Você é um técnico, e independente de ter estabelecimento ou trabalhar por conta, o cliente não pode "segurar essa responsabilidade" Independente do equipamento ser antigo ou novo, se está sob os seus cuidados elaborar orçamento e reparar, é sua responsabilidade tanto a peça utilizada como a mão de obra.

Não podemos pensar profissionalmente em colocar qualquer responsabilidade "na mão" do cliente, pois os procons e juristas não entendem dessa forma, pois se o equipamento teve um orçamento para reparo, é porque você analisou e achou qual peça deveria ser substituída, e se fez o orçamento é porque achou a peça a venda no mercado, se é nova ou seminova o estado dela só deve constar na ordem de serviço, na discriminação da peça, a qual recomendo que compre e tenha comprovante de compra da mesma e/ou nota fiscal dela.

É comum colocarmos as vezes peças seminovas ou retiradas de sucata, faz parte do ofício. É claro que não mencionamos isto, pois para o cliente o que vale é o equipamento reparado e para fins judiciais, o que vale é a garantia. Se você confia em seu serviço pega o equipamento e conserte, dê a garantia de lei 90 dias. Se acha que é arriscado simplesmente alegue problemas de peça, e passe pra frente.

Não perderia um serviço por um "detalhe" tão pequeno. Peças novas ou não podem dar defeito a qualquer momento. Já troquei flat seminovo que nunca deu problema, não se pode pensar assim, é tipo remar contra a profissão.

O máximo que se pode é comunicar ao cliente que devido a "idade" do equipamento não há peças novas no mercado, mas nunca dê isso como desculpa para pegar ou não um serviço pois isto acaba te queimando muito com o cliente. Se não acha o flat novo comunique que o mesmo será um seminovo mas que seu fornecedor dá garantia, e cobre bem por isso, afinal se der algum problema você cobrou um valor que tenha sido favorável para segurar emergências.

Já estamos em um momento difícil da economia, temos que pegar os serviços, e não nos enrolarmos com detalhes bobos, a não ser que perceba que a situação possa lhe trazer prejuizo, como máquina muito mexida, com gambiarras, enfim, mas tudo faz parte... afinal rosas também podem ter espinhos!!

Mas temos que ser estratégicos... Se sentir cheiro de problema e prejuizo um determinado serviço, passe pra frente. Somos técnicos mas não podemos ser super técnicos e abraçar o mundo. Sempre vai ter um ou outro serviço que vamos farejar que podemos ter problemas aí é colocar na ponta do lápis se vale correr o risco ou não.

0

Share this post


Link to post
Share on other sites

Excelente professor, mais uma vez compartilhando sua experiência conosco. Muito obrigado mais um aprendizado. 

0

Share this post


Link to post
Share on other sites

Ótimo! agora entendi. No meu caso como não vendo peças, compro e instalo tenho que emitir Ordem de Serviços.

0

Share this post


Link to post
Share on other sites